poesia

Caminho da vida

Caminho da vida
Que se faz por veredas
Erva seca e arvoredos
Arbustos vivos

Vejo o fim do caminho
Mas por artes mágicas
Se desdobra em nova curva
Se não suceder coisa trágica

Erva do monte
Cresce sem cuidados
Oferece o seu melhor verde
Para quem percorre os trilhos

Qual ninfa caçadora
Surges do meio da natureza
Prendes-me com o teu olhar
Numa mirada de surpresa

Debaixo da ramada
Declaro o meu amor
Ao anjo com asas
Que surgiu no pico do calor

Talvez fosses um sonho
Que surgiu pelo caminho
Vestido de verde
Sempre em renovação
Para alimentar o coração

Faz-te ao caminho da vida
Sem hesitação
Não importa se curta ou comprida
Mas aprecia a natureza com emoção

13-06-2021

João Pires

Standard
poesia

Esta forma de viver

Esta forma de viver
Sede de te beber
Rasgo almas e preconceitos
Para te ouvir gemer

Subo montes e calcorreio vales
Do desejo de te sentir
Vejo sonhos nas nuvens
Só de pensar em te despir

Despir de barreiras e de vestes
Tocar na mais sublime pele
Apenas vestida pelo perfume
Minhas mãos seguram teus braços

Que se tocam nossos regaços
Num desejo de fusão
Em grande vontade e com tensão
Entre beijos bruscos e amassos

No ritmo da música surda
Trocam-se beijos procurados
Entre a procura da vontade
Toques de pele nunca lembrados

Exploro teu corpo
Entre curvas e cabelos
Soltas os gemidos mais profundos
Nos desejos mais singelos
Até chegar o momento da fusão
Em choque ritmado de corpos
Para que aconteça total libertação

03-06-2021

João Pires

Standard
poesia

O ser humano viverá

O ser humano viverá enquanto houver amor
Para desejar o bem
Seguir o caminho com louvor
Sem amarras ou ficar refém

O ser humano viverá enquanto houver partilha
Com os pobres e rejeitados
Ou com os amigos da pandilha
Eternamente agradecidos

O ser humano viverá enquanto houver família
Pai, mãe, irmã, irmão
Também aqueles que vivem ao nosso lado
De sangue ou de coração

O ser humano viverá enquanto houver felicidade
Naqueles momentos de puro prazer
Num sentimento de cumplicidade
Poemas de bom saber

O ser humano viverá enquanto houver aceitação
Receber o que é oferecido
Admitir a vida com exortação
Para que o mundo seja enaltecido

O ser humano viverá enquanto houver bondade
Seguir o caminho da perfeição
Procurar fazer o bem na verdade
Dedicar palavras com afeição

O ser humano viverá enquanto houver sonho
Na imaginação do inconsciente
Onde entra o belo e o medonho
Durante a noite ou dia conveniente

O ser humano viverá enquanto houver imaginação
Criação de novas realidades
Mas sempre com determinação
à procura das suas verdades

O ser humano viverá enquanto houver gratidão
Sempre que o bem se imponha
No mundo de vastidão
De palavras o poeta disponha

O ser humano viverá
Se deixar aberta a janela do pensamento
Jamais morrerá
Enquanto houver estrelas no firmamento

20-05-2021

João Pires

Standard
poesia

Sorte em repetir a vida

Sorte em repetir a vida
Num tempo sem relógio
Quando chegam as primeiras andorinhas
Em total harmonia de privilégio

Até onde poderei repetir a vida
Num tempo sem ponteiros
Onde nem todas as andorinhas regressam
Num espaço de ódios, guerras e morteiros

Saberei eu viver a vida
Tomar os primeiros banhos de mar
Passear debaixo do luar
Quando a lua de nós cuida

Dar valor à vida
É sentar na esplanada
Tomar um copo de cerveja
Sem pensar em mais nada

Noites sem fim
Em conversas de amigo
Palavras de amor
Ou para ler um livro

Se a vida tomasse conta do tempo
Seria eterno até às galáxias
Ganharia mais alento
Viveria novas vidas

09-05-2021

João Pires

Standard
poesia

Trago palavras no peito

Trago palavras no peito
Percorro as páginas dos teus livros
Na senda do sonho perfeito
Com tantos quilómetros percorridos

Guardo o teu perfume em mim
Que emana da minha pele
Suave aroma de jasmim
Daquela tarde encontrada

Se os teus lábios frementes
Anseiam ser correspondidos
Que melhor poema te poderia cantar
Senão com beijos acendidos

Quando o mar toca em ti
Teus olhos brilham de maresia
Nas tuas ondas me perdi
Naquele ritmo de melodia

Quantos mares percorreste
À procura de melhores sonhos
Porque nunca soubeste
Que vivem em barcos risonhos

Seria a vida mais bela
Se a poesia comandasse
A mais bela caravela
Por quer que navegasse

Trago-te dentro de mim
Mais belo poema
Que aconteceste
Numa rima sem fim
Desde o dia em que nasceste

06-05-2021

João Pires

Standard
poesia

Quando um poema 

Quando um poema
Contém dardos apontados ao coração
Despertam toda a emoção
Sem qualquer problema

Se o poema vai como tsunami
Apontado à casa dos pavores
Setas de amores como nunca viram
Capazes de provocar infinitos calores

Quando um poema arrepia
Toda a pele transpira
Extrema e subtil beleza
Caminha com elegância e alegria

Se um poema se veste de anjo
Capaz de cegar o teu caminho
Talvez seja altura
De fechar os olhos e sonhar

Mesmo porque um anjo
Tem a força para deslumbrar
Conquistar e destruir
Se um dia o conseguires amar

02-05-2021

João Pires

Standard
poesia

Que importa se moves montanhas

Que importa se moves montanhas
Que interessa se agitas a água
Que proveito tens da vida
Se não deres o teu melhor sorriso

Que importa se foste à guerra
Que interessa se dás o teu melhor
Que proveito fazes da amizade
Se não deres uma palavra positiva

Que importa se está sol
Que interessa se venceste a corrida
Que proveito tens da lua
Se não cantares uma balada

Que importa se tens piada
Que interessa se saiu a lotaria
Que proveito do ar que respiras
Se não ofereceres um suspiro

Que importa a vida se não viveres

01-05-2021

João Pires

Standard
poesia

Gazela selvagem

Gazela que corres pelos campos
De alma presa no teu corpo
Viajas com o vento pelas pradarias
Sonhas de olhos abertos por novos dias

Gazela de corpo esbelto
Olhos esfuziantes espalham alegria
Pedes pelos outros em litania
Tens luz contagiante

Gazela dos campos abertos
De temperamento alerta
Bebes água no rio
Com toda a graciosidade

Gazela de vontade
Corres por liberdade
Amas por desejo
Vives pela verdade

Gazela pura e selvagem
Feita de instinto e coragem
Soltas a tua alma
Com elegância e graciosidade

25-04-2021

João Pires

Standard
poesia

Meia-de-leite e um abraço

Meia-de-leite e um abraço 
Como se estivesse no teu regaço 
Como se o amor pudesse ser servido 
Numa taça no meio da praça 
 
Meio abraço por favor 
É quanto imploro com amor 
O mundo está doente 
Porque está carente 
 
Um abraço e um café 
Enquanto espero em pé 
Na fila para o pão 
Que me aquece o coração 
 
Um abraço sofrido 
Também será recebido 
Porque a carência humana 
Dura toda a semana 
 
Um aperto entre braços 
Que gesto nobre me assalta 
Para juntar o coração aos pedaços 
Pois o amor faz falta 
 
Meia-de-leite e um abraço 
Porque estou no teu regaço 

17-04-2021

João Pires

Standard